quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

09/12/2015 07h05 - Atualizado em 09/12/2015 07h05

Balanço do Inter: garotos em destaque ofuscam temporada oscilante de grifes

Valdívia, Vitinho, Alisson e Rodrigo Dourado fecham a temporada em alta com protagonismo dentro de campo, enquanto D'Ale, Alex e Juan ficam devendo em 2015

Por Porto Alegre
Carrossel desempenho Inter (Foto: GloboEsporte.com)
O último capítulo do ano colorado sinalizou com um triunfo por 2 a 0 sobre o Cruzeiro, mas o Inter encerrou o Brasileirão em meio a lamentações, após ficar sem a vaga na Libertadores de 2016. Um desfecho que retrata a temporada vivida pela equipe, marcada ainda por brilho no Gauchão e eliminação na competição continental. 
Em meio a especulações de reforços e renovações neste final de ano, o GloboEsporte.com traça um balanço do 2015 vivido pelo Inter e avalia um a um os atletas do elenco colorado. O parecer aponta para brilho de garotos como Valdívia, Rodrigo Dourado e Alisson, que se firmaram com protagonismo dentro de campo, e para o ostracismo vivido por atletas tarimbados, como D'Alessandro, Alex e Juan.
O critério adotado pelo GloboEsporte.com leva em conta apenas jogadores que atuaram em mais de três partidas na temporada. Assim, ficam fora da listagem atletas como Dida, Jacsson, Andrigo e Rodrigo Moledo. Os jogadores foram divididos nas categorias "Quem aprovou", "Quem reprovou" e "Quem precisa mostrar mais".
Confira o Balanço da temporada do Inter em 2015:
QUEM APROVOU
Alisson
Consolidou-se de vez como dono absoluto da meta colorada com defesas plásticas e segurança. No primeiro semestre, foi um dos poucos a se salvar na eliminação para o Tigres, na Libertadores. No segundo, manteve o nível alto de atuações, a ponto de assumir a titularidade na Seleção de Dunga nas Eliminatórias da Copa de 2018.
Alisson, goleiro do Inter Internacional (Foto: Ricardo Duarte / Internacional / Divulgação)Alisson brilhou em 2015 até assumir a titularidade na Seleção (Foto: Ricardo Duarte / Internacional / Divulgação)
Ernando
Foi uma constante da defesa colorada. Iniciou e encerrou o ano como titular na zaga e teve bom desempenho quando improvisado na lateral esquerda, tanto por Argel quanto por Aguirre, com maior proteção no setor. Pela versatilidade, virou até modelo de perfil de atleta buscado para reforçar o grupo em 2016.
Paulão
Superou um primeiro semestre de ostracismo como reserva sob o comando de Diego Aguirre para ser um dos homens de confiança de Argel. Assumiu a titularidade na zaga e só deixou o posto uma vez, quando cumpriu suspensão.
Artur
Iniciou o ano como a última opção para a lateral esquerda no elenco. Ganhou espaço após a grave lesão de Geferson no ombro esquerdo, a ponto de assumir a titularidade da posição na reta final do Brasileirão. Assim, encerra o ano em alta no Colorado.
William
É outro que superou um início de ano de poucas oportunidades. Quarta opção na lateral direita, ganhou chances no Gauchão com Diego Aguirre e agradou. Acabou inscrito para as oitavas de final da Libertadores e até oscilou no segundo semestre, mas fecha a temporada em alta como titular.
Rodrigo Dourado
É uma das grandes afirmações do Inter na temporada. Até iniciou o ano na equipe reserva de Aguirre, mas logo ganhou a titularidade pelas boas atuações no Gauchão. Aos 21 anos, não sentiu o peso de atuar na Libertadores. Ainda evoluiu ao longo do ano. Com Argel, encerrou o Brasileirão adaptado à função mais avançada no meio-campo.
Valdívia
A condição de artilheiro do Inter, com 19 gols em 53 jogos, por si só, já seria suficiente para colocar o garoto de 21 anos entre os jogadores que aprovaram na temporada. Mas Valdívia fez mais. Foi decisivo dentro de campo e carismático nas redes sociais para cativar a torcida colorada. Não à toa, encerra o ano como ídolo e melhor jogador de 2015, mesmo com grave lesão no joelho.
Internacional x Corinthians Inter Beira-Rio Inter Valdívia Vitinho Inter  (Foto: Ricardo Duarte/Internacional)Valdívia e Vitinho foram os artilheiros do Inter em 2015 (Foto: Ricardo Duarte/Internacional)








Vitinho
É o único dos sete reforços buscados pela diretoria que brilhou, de fato, em 2015, graças ao protagonismo mostrado dentro de campo na reta final do Brasileirão. Foi o vice-artilheiro da equipe na temporada, com 15 gols, mesmo tendo figurado fora até do banco com Diego Aguirre. Encerrou o ano como goleador do Colorado no Nacional, com 11 tentos. 
Eduardo Sasha
Entra na lista dos jogadores aprovados pelo primeiro semestre de muita aplicação tática para atacar e anotar gols na Libertadores e defender quando necessário. Isso o mantém em alta mesmo com o final de ano repleto de lesões no tornozelo esquerdo.
QUEM REPROVOU
Léo
Contratado para assumir a lateral direita, não conseguiu engrenar no posto. Após iniciar o ano como titular com Aguirre, perdeu espaço devido a lesões. Ao final da temporada, sequer figurava no banco de reservas. Chegou até a ficar fora de treinamentos.
Juan
Não conseguiu honrar seu histórico vitorioso pela Seleção e no futebol europeu em 2015. Experiente aos 36 anos, restringiu seu papel de líder do elenco ao vestiário. Em campo, pouco produziu, seja com Diego Aguirre ou com Argel.
Juan Inter treino (Foto: Eduardo Deconto/GloboEsporte.com)Juan deve fechar com o Flamengo para 2016 (Foto: Eduardo Deconto/GloboEsporte.com)

Alan Costa
Teve chances com Diego Aguirre no início do ano, a ponto de ser titular em duelos decisivos da Libertadores, mas caiu no ostracismo no segundo semestre. Com Argel, não iniciou uma partida sequer e esteve em campo apenas na derrota por 1 a 0 para a Chapecoense.
Réver
Desembarcou em Porto Alegre para ser o xerife da zaga do Inter na Libertadores e decepcionou. Custou a entrar em ritmo de jogo e sofreu com lesões durante a temporada. Até viveu bom momento no segundo semestre, com Argel, mas passou longe de corresponder às expectativas da diretoria após passagem vitoriosa pelo Atlético-MG.
Nico Freitas
Encerrou o ano como titular, devido às baixas de Nilton e Wellington, flagrados no antidoping, mas passou longe de agradar. Homem de confiança de Diego Aguirre, conviveu com lesões e perdeu espaço com Argel. Pouco atuou com a camisa do Inter em sua curta passagem pelo clube, encerrada ao final do ano.
Wellington
Perdeu o primeiro semestre para se recuperar de grave cirurgia no tornozelo esquerdo, realizada ainda em 2014. Pouco teve tempo para atuar pelo Inter. Flagrado no exame antidoping no final de outubro, pegou gancho de cinco meses no STJD.
D’Alessandro
Iniciou o ano em alta, com papel decisivo na campanha que levou o Inter até a semifinal da Libertadores. Parou por aí. Sofreu com três lesões diferentes ao longo da temporada. Atuou em apenas 36 partidas em 2015, com cinco gols anotados. Não balançou as redes e sequer completou um turno no Brasileirão. Muito pouco para quem é capitão e maior ídolo da torcida.
D'Alessandro Anderson Juan Inter (Foto: Tomás Hammes / GloboEsporte.com)D'Alessandro e Anderson decepcionaram em 2015 (Foto: Tomás Hammes / GloboEsporte.com)
Anderson
Badalado, chegou ao Inter em fevereiro com status de principal contratação da diretoria na busca pelo tri da Libertadores. Custou a ficar em forma e chegou a ficar fora da lista de relacionados de Diego Aguirre para os principais jogos do primeiro semestre. Encerrou o ano com boas atuações sob o comando de Argel. Mas fez muito pouco, dado o alto investimento do clube.
Alex
De contrato renovado por duas temporadas, o meia, ídolo da torcida, pouco fez em campo ao longo do ano. Após iniciar o ano como reserva de luxo para D'Alessandro, foi titular durante boa parte do Brasileirão, mas não conseguiu emplacar uma sequência de boas atuações.
Rafael Moura
Após encerrar 2014 como titular, perdeu espaço com as chegadas de Lisandro López e Vitinho e com as boas partidas de Eduardo Sasha e Nilmar. Reserva de alto salário, pouco produziu quando solicitado por Diego Aguirre e Argel e passou por cirurgia por problema no pé ao final do ano. Deve seguir novo rumo ao término do contrato, em maio.
Lisandro 
Indicado por Diego Aguirre para ser o comandante do ataque colorado, fez contrato de risco no começo do ano e agradou. Teve o vínculo renovado até o final do ano, mas caiu de rendimento. Fez pouco pela expectativa criada por sua chegada e deixa o clube rumo ao Racing em meio à seca de oito jogos. Não deixará saudades.
QUEM PRECISA MOSTRAR MAIS
Muriel
Reserva de seu irmão mais novo, Alisson, foi bem quando teve sua presença na equipe titular requisitada. Dificilmente terá maiores chances em 2016, mas pode assumir a titularidade, caso o goleiro da Seleção deixe o clube rumo à Europa. 
Muriel goleiro Inter (Foto: Tomás Hammes/GloboEsporte.com)Muriel encerrou o ano à sombra do irmão (Foto: Tomás Hammes/GloboEsporte.com)

Eduardo
Em seu primeiro ano com oportunidades, atuou em apenas quatro partidas. E até foi bem, com direito a gol marcado. Ainda assim, mostrou pouco, dados os escassos minutos em campo. Será alvo de análise de parte da comissão técnica em 2016.
Geferson
Assumiu a titularidade após a saída de Fabrício e deslanchou no primeiro semestre, a ponto de figurar na Seleção para a disputa da Copa América. Caiu de rendimento após gol contra na semifinal da Libertadores e ficou fora do segundo semestre devido a uma cirurgia no ombro esquerdo. Será reavaliado a partir da pré-temporada.
Zé Mario
Retornou ao Inter no meio do ano, mas teve pouco espaço para atuar. Até porque sofreu com lesões. Passou por cirurgia para correção de uma hérnia no segundo semestre. Inicia o ano entre os atletas a ser observados por Argel.
Nilton
Contratado junto ao Cruzeiro, chegou ao Inter acima do peso e custou a entrar em forma. Ficou fora da equipe no primeiro semestre. Emagreceu e virou afirmação sob o comando de Argel, mas viveu drama pessoal ao final do ano, após ser flagrado no exame antidoping. Suspenso até o final de março, terá de buscar espaço em 2016.
Internacional Inter treino Nilton Inter (Foto: Eduardo Deconto/GloboEsporte.com)Após doping, Nilton terá de buscar espaço no ano que vem (Foto: Eduardo Deconto/GloboEsporte.com)
Silva
Buscado no time B por Diego Aguirre, foi titular na estreia no Brasileirão, mas teve poucas chances ao longo do ano – somou um total de quatro partida em 2015. Deve ser integrado de vez ao elenco principal em 2016 e, assim, ganhará mais chances.
Bertotto
Foi opção de Argel para ingressar em campo nas últimas três partidas do Brasileirão. Após viver sina de lesões e pouco atuar ao longo do ano, deve aprimorar a forma física na pré-temporada para buscar mais oportunidades na equipe.
Taiberson
Reserva ao longo de todo o ano em sua segunda temporada no grupo principal, teve chances com Argel no segundo semestre, quando foi opção recorrente para ingressar em campo na segunda etapa. Pode ganhar mais chances em 2016.
Alisson Farias
Viveu ano de adaptação em sua primeira temporada integrado ao elenco principal. Ao longo do ano, teve poucas chances e chegou até a passar por processo de ganho de massa muscular para suportar trombadas, mas não engrenou. É aposta para 2016.