sábado, 7 de junho de 2014

 - Atualizado em 

Após morte de Fernandão, D'Ale sugere aposentar a camisa 9 do Inter

Clube já decidiu que não irá usar o número no próximo jogo pelo Brasileirão e diz que planeja mais homenagens para o "eterno capitão" ao longo do ano

Por Porto Alegre
115 comentários
D'Alessandro Fernandão Inter (Foto: Tomás Hammes/GLOBOESPORTE.COM)D'Alessandro e Fernandão trabalhram juntos no Inter (Foto: Tomás Hammes/GLOBOESPORTE.COM)
D'Alessandro nunca escondeu sua admiração por Fernandão. Abalado com a morte do ex-atacante em um acidente de helicóptero na madrugada deste sábado em Goiás, o argentino sugeriu que o Inter faça uma homenagem digna da importância do jogador para a história do clube: aposentar a camisa 9, com a qual Fernandão foi consagrado no Beira-Rio. 

- Acho que seria uma ideia legal se o governo fizesse uma homenagem com um nome de uma rua. Por parte do time, acho que talvez pudéssemos guardar a camisa 9. Ele é o camisa 9, não tem como, foi com ela que levantou o Mundial e deu tantas vitórias ao nosso Inter. Então seria muito legal se essa camisa pudesse ser guardada. Mas isso não depende de nós, depende da decisão da diretoria - disse o argentino, em entrevista à Rádio Gaúcha. 

A direção do Inter já decidiu que não usará a camisa 9 no próximo jogo do time no Brasileirão, contra o Corinthians, no dia 17 de julho, em São Paulo. Em nota no site oficial, o clube afirma que fará uma série de homenagens para o "eterno capitão" ao longo do ano e que vai estudar as propostas sugeridas pela torcida para implementá-las após a Copa do Mundo, quando reassumir o controle do Beira-Rio, temporariamente cedido à Fifa.  

Herdeiro da braçadeira de Fernandão e também da condição de maior ídolo da torcida, D'Ale diz que levou para dentro do campo o que aprendeu com o capitão do Mundial enquanto ele foi executivo e técnico do clube, entre 2011 e 2012. Muitos jogadores do atual elenco também tiveram esse contato. Por isso, ele prevê dificuldades para o grupo ao voltar ao Centro de Treinamento do Parque Gigante para a retomada dos trabalhos, no próximo dia 13.

- Não tem como não lembrar dele no momento de usar a braçadeira, de colocar no braço. Acho que a gente vai sentir quando chegar no CT, porque vivemos um momento com ele dentro do clube. O grupo vai ter que ser forte. Empregados, diretoria e pessoas que têm um carinho muito grande por ele têm que ser fortes para levar o clube aos lugares onde ele merece. E o Fernandão, não tenho dúvida, gostaria que o clube continuasse brigando por títulos e talvez no fim do ano levantasse uma taça para ele.
Helicóptero Helibrás HB-350BA Esquilo falecimento Fernandão (Foto: Divulgação / Corpo de Bombeiros de Goiás)Helicóptero ficou completamente destruído (Foto: Divulgação / Corpo de Bombeiros de Goiás)
O acidente

Fernando Lúcio da Costa voltava de sua casa em Aruanã, cidade no interior para a capital, localizada a 315 km de distância. Além de Fernandão, estavam no helicóptero e não sobreviveram mais quatro amigos: Edmilson de Souza Leme (vereador de Palmeiras de Goiás), Antônio de Pádua, Lindomar Mendes Vieira (funcionário da fazenda) e o piloto, identificado como Milton Ananias.
Segundo a Polícia Civil, a aeronave levantou voo da fazenda que pertencia a Fernandão por volta de 1h e caiu segundos depois sobre um banco de areia (uma pequena praia de água doce) às margens do rio Araguaia e capotou diversas vezes. O local do acidente fica a 15km do centro de Aruanã. O ex-jogador chegou a ser levado para o hospital da cidade, mas faleceu pouco depois.

Nenhum comentário: