sexta-feira, 21 de março de 2014

Rio Grande do Sul rio grande do sul 21/03/2014 12h11 - Atualizado em 21/03/2014 14h25 Sobrinho de R10 dribla holofotes e luta contra o peso em Cruzeiro 'genérico' Filho do agente Assis, Diego é tratado como joia desde muito cedo. Aos 19 anos, ele lida com a pressão e diz que descarta um dia voltar ao Grêmio: 'Ouvi abobrinhas' Por GloboEsporte.comPorto Alegre 399 comentários 'abobrinhas' de gremistas assis segue de perto e admite pressão FUTURO: voltar ao inter, por que não? Ele carrega o peso da fama desde muito cedo. Tem passagens por clubes do quilate de Grêmio, Inter, Flamengo e Atlético-MG. Tudo isso aos 19 anos - preço de levar adiante um sobrenome importante e ter um tio da dimensão de Ronaldinho Gaúcho. Filho do controverso empresário Assis, Diego agora usa a receita oposta. Foge dos holofotes para um recomeço sem alarde nem pressa, mas com muito trabalho no Cruzeiro-RS, time da sua Porto Alegre, curiosamente xará do grande rival do Galo mineiro, no qual atua o parente galático. Essa é a mais recente casa do projeto de craque que trava batalha pessoal contra o peso e ainda precisa lutar para que o passado polêmico de seus familiares com o Grêmio não o atrapalhe no Rio Grande do Sul. Talvez seja essa a única mágoa de um garoto de sorriso fácil, que não pensa em retornar ao Tricolor, mas fará de tudo pelo sonho de atuar em alto nível, seja onde for. Ao falar sobre o futuro, nem o Inter ele descarta (veja no vídeo uma amostra da habilidade do meia). O GloboEsporte.com acompanhou Diego em uma tarde cinzenta desta semana num treino no Centro de Treinamentos no Lami. Treinar é o que mais ele tem feito. O sobrinho do craque do Galo entrou em campo em apenas um jogo no Campeonato Gaúcho de 2014, no último domingo, no empate em 2 a 2 com o São Luiz, sua estreia no profissional. Os motivos para a espera, segundo o clube, são dois: a pouca idade e o processo de emagrecimento pelo qual passa o garoto que se diz um meia de armação, central ou pelos lados, com vocação para garçom. Diego Assis sobrinho Ronaldinho (Foto: Paula Menezes/GloboEsporte.com)Diego Assis, sobrinho de Ronaldinho, no Cruzeiro-RS (Foto: Paula Menezes/GloboEsporte.com) Diego voltou ao Rio Grande do Sul, após passagem pela base do Atlético-MG, acima do peso. Sua condição física foi prejudicada por causa de duas cirurgias para retirada de cistos nas costas. A recuperação exigiu, inclusive, que ele passasse dias deitado na cama. Desde dezembro, quando foi apresentado no time gaúcho, o jovem faz um trabalho de recondicionamento. Uma nutricionista foi contratada especialmente para cuidar de sua dieta. - Foi difícil. Muito puxado, eu sentia bastante dor, sentia a falta de ritmo. Minha dieta não tem mistério. É baseada em arroz, feijão, salada e carne. Quando como massa, não como arroz. Espero estar na condição ideal até o período da Copa do Mundo - afirmou Diego. O Diego é muito mais parecido com o tio do que com o pai, seu problema é só o peso mesmo Luiz Antonio Zaluar, técnico Apesar dos quilos que ainda tem a perder, o meia é elogiado pela comissão técnica do Cruzeiro-RS. Essa é a primeira vez que o filho de Roberto de Assis Moreira trabalha integrado ao grupo profissional. A intenção, portanto, é lapidar o garoto. Pelo planejamento, Diego será titular no estadual júnior, que começou nesta quarta-feira. No Gauchão, a próxima oportunidade pode ser diante do Inter, no sábado. O clube enfrentará o Colorado pelas quartas de final da competição. Como a fase é eliminatória, o treinador Luiz Antonio Zaluar deve utilizá-lo apenas no decorrer da partida. - Estamos sendo muito criteriosos. Ele tem ficado no banco, mas foi preservado pela sequência de jogos do Cruzeiro, todos duríssimos, não teve nenhum jogo mais tranquilo. Só tenho elogios ao Diego. Vejo ele totalmente focado, humilde, quer trabalhar, ajuda os outros meninos, todo mundo do profissional adora o Diego. E ele é muito mais parecido com o tio do que com o pai, que usava mais velocidade. O Diego cadencia mais a partida, tem uma excelente bola parada e o lançamento. O problema é físico mesmo, o sobrepeso, nunca foi problema técnico - esclarece o treinador. 'abobrinhas' de gremistas Com o histórico de pai e tio, o destino de Diego, de 1,72m não poderia ser outro que não o futebol. A vontade de ser jogador, porém, partiu dele. Aos 5 anos, o meia já vestia a camisa do Grêmio - mesmo time que lançou Ronaldinho ao profissional. Ficou no Estádio Olímpico inclusive depois de R10 ter protagonizado a conturbada ida ao Paris Saint-Germain, em 2001, que acabou nos tribunais. A maneira como a transferência ocorreu, com a assinatura "às escondidas" de um pré-contrato com o PSG, transformou a relação de idolatria da torcida em hostilidade. A situação acabou por respingar no sobrinho: - Ouvia muita "abobrinha" dos torcedores. Às vezes, nos jogos, eles gritavam. Já ouvi na rua também, justamente por ser parecido com o meu pai e eles me reconhecerem. Mas não tem por que se estressar. Acho que esse é um clube para o qual eu não voltaria, por causa dessas situações. Mosaico Diego Assis sobrinho R10 (Foto: Editoria de Arte)Diego no Flamengo, no Galo, no Inter e no Cruzeiro-RS. À esquerda, ainda criança com Assis e o atual jogador do Grêmio Guilherme Biteco. À direita, crescido, com o tio Ronaldinho e novamente ao lado de Assis (Foto: Editoria de Arte) Em 2006, Diego trocou o Grêmio pelo maior rival, o Inter. Permaneceu no Colorado por cinco anos. Em seu currículo, entram também Flamengo (2012) e Atlético-MG, em que esteve na época das cirurgias e até decidir acertar o contrato com o Cruzeiro-RS. Coincidência ou não, a trajetória é praticamente a mesma de seu tio ilustre no Brasil. As únicas exceções são o Inter e o time em que está agora. Ouvia muita 'abobrinha' dos torcedores (do Grêmio). Às vezes, nos jogos, eles gritavam. Já ouvi na rua também, justamente por ser parecido com meu pai" Diego Assis, meia Os dois nunca chegaram a treinar juntos. Mas a figura de Ronaldinho é presente na vida de Diego. A distância e os compromissos de R10 não permitem contato diário. A relação, porém, é de parceria. - Não sei explicar por que passei pelos mesmos clubes que ele. É uma coincidência. No Flamengo, eu fiquei pouco tempo. Aconteceram aqueles problemas (do R10) com a diretoria, então eu saí também. No Atlético-MG, fui muito bem tratado. Uma estrutura incrível. Lá, a gente se falava todos os dias. Mas nunca cheguei a treinar com ele. Quando trabalhei com o elenco principal, eram os reservas - lembra. Mais uma curiosidade: após o Galo, o meia veste a camisa do Cruzeiro. Não exatamente o rival, mas um clube homônimo, pequeno, de Porto Alegre e que, em breve, se mudará para uma nova arena em Cachoeirinha, cidade próxima. O que interessa, no entanto, é que o nome é o mesmo. Motivo de corneta por parte de Ronaldinho? - Não, não. Ele apenas desejou boa sorte. É porque o pai dele jogou aqui, então tem todo um histórico, um carinho. assis segue de perto e admite pressão Se há um ponto que não falta na carreira de Diego é o incentivo da família. Em meio ao treino do Cruzeiro-RS, surge um espectador especial. O pai, Roberto, conhecido como Assis, desce de um luxuoso carro preto para assistir ao trabalho da equipe. Troca conversas com o técnico, entre um telefonema e outro. Os compromissos do empresário não permitem que a prática se repita de maneira constante. Mas ele afirma se esforçar. - Não venho sempre, porque eu viajo muito, né. É meu filho, então tento sempre estar por perto - resume. Diego Assis sobrinho Ronaldinho (Foto: Paula Menezes/GloboEsporte.com)Roberto de Assis Moreira acompanha o filho no treino (Foto: Paula Menezes/GloboEsporte.com) Entrar em forma é complicado. Mas ele já deu a resposta. Evoluiu muito" Assis, pai A comparação com pai e o tio é inevitável. Diego teve de aprender a lidar com as expectativas sobre sua carreira desde pequeno. O assunto já chegou a incomodar, admite. Aos poucos, porém, aprendeu a blindar a questão. Assis é consciente da responsabilidade que o filho carrega. Ressalta, no entanto, que nunca o pressionou para ser atleta. A questão do peso de Diego é minimizada pelo ex-jogador, campeão da Copa do Brasil com o Grêmio em 1989. Com a recuperação pós-cirurgia, o pai está confiante de que o meia encontrará seu caminho no futebol. - Ele está fazendo a história dele no esporte. No futebol, a motivação é muito importante. A gente tem que ter cuidado, existe toda uma pressão. Tem que querer. O Diego passou por um ano difícil (2013), entrar em forma é complicado. Mas ele já deu resposta. Já evoluiu muito. FUTURO... no inter? Diego renovará o contrato para a disputa do estadual júnior. É o momento de despontar na carreira, mostrar seu valor e despertar novamente o interesse dos grandes clubes brasileiros, sem a influência do pomposo sobrenome. Preferências? Tem algumas. O atual time do tio e... - Voltaria para o Inter, porque tenho muitos amigos lá e fui muito bem tratado. Se traçará o mesmo caminho de sucesso do grande astro da família, a saber no futuro. Afinal, o desempenho do jovem dentro de campo ainda é pouco conhecido. A certeza é de que incentivo e conselhos de quem entende do assunto não faltarão a Diego. Confira as notícias do esporte gaúcho no globoesporte.com/rs saiba mais Sobrinho de Ronaldinho é o novo reforço do Cruzeiro-RS para Gauchão

Nenhum comentário: