sexta-feira, 1 de março de 2013


01/03/2013 18h37 - Atualizado em 01/03/2013 

Atrás de um meia, Inter vê escassez de jogadores com estilo de D'Ale

Dunga enaltece espírito do atleta e importância dele na equipe colorada

Por Tomás Hammes Porto Alegre
33 comentários
D'Alessandro meia Inter (Foto: Tomás Hammes / GLOBOESPORTE.COM)D'Alessandro foi mantido como capitão por Dunga
(Foto: Tomás Hammes / GLOBOESPORTE.COM)
Quem pode substituir D’Alessandro? A dúvida não permeia apenas o pensamento dos torcedores. Ela também ronda a cabeça de Dunga.
O técnico, a cada dia, mostra mais admiração com o camisa 10. Além da qualidade do gringo, Dunga enaltece o espírito de D’Ale. Até por isso, admite que será complicado encontrar um jogador com tais características para ser alternativa ao argentino quando não puder atuar.
- Se você (jornalista) me disser onde tem alguém parecido com ele a gente vai buscar – disse aos risos -. Antes ele era um problema. Agora todo mundo sente falta. É mérito do jogador, que mostrou sua importância. Ele é muito competitivo e difícil de repor.
A direção procura uma reposição para o setor de criação. A intenção é de trazer um destro, já que o grupo já conta com D’Alessandro, Dátolo e Fred. E os dois últimos brigam pela mesma vaga. Ou seja, falta alguém para o lugar de El Cabezón.
Dunga e D'Alessandro no Lago Negro avisam: Autógrafos, só depois do treino (Foto: Diego Guichard / GLOBOESPORTE.COM)Dunga tem D'Ale como um dos seus homens de confiança (Foto: Diego Guichard / GLOBOESPORTE.COM)

Até pela importância de D’Ale, o treinador trata de tirar a obrigação dos possíveis substitutos. Com poucas opções no mercado e sem alguém à altura no grupo, Dunga entende que é preciso o time se doar para compensar a falta do camisa 10.
- É preciso repor a falta do D’Alessandro com o trabalho do grupo. Não podemos cobrar que o outro jogador jogue da mesma forma que ele - afirma.
Fã do futebol do armador, o comandante já tinha falado sobre o talento do argentino após a vitória no Gre-Nal. Mesmo com o currículo vitorioso, que apresenta, entre outros, o título da Copa do Mundo de 1994 pela Seleção, Dunga vê D’Ale como um jogador superior ao que ele foi.
Porém, acredita que a disposição do articulador é a mesma que empregava em seus tempos de jogador. E, mesmo sem querer falar muito do assunto, avalia que a dupla teria sucesso caso tivesse atuado junta:
- O D’Alessandro é muito mais qualificado do que eu. Mas se assemelha comigo pela competitividade. Ele se cobra muito, busca sempre corrigir e vencer. Nós dois juntos formaríamos um bom meio, mas minha fase já passou.
D'Alessandro Inter Christian (Foto: Tomás Hammes / GLOBOESPORTE.COM)D'Ale dá camisa a garoto no hotel em Caxias
(Foto: Tomás Hammes / GLOBOESPORTE.COM)
Dunga manteve D’Ale como capitão. Enaltece a liderança do jogador perante ao grupo. As atitudes podem ser traduzidas não apenas nas condutas em campo. No último final de semana, mais uma vez, o armador mostrou que é a principal referência do vestiário. Na noite de sexta-feira, Christian Jean da Silva, que sofre de hidrocefalia, foi até o hotel em que a delegação colorada estava concentrada em Caxias do Sul. Queria conhecer os ídolos.
D’Ale conversou com o garoto de 16 anos e, prontamente atendeu o pedido. A cada companheiro que deixava o jantar, o armador solicitava para que fosse ao encontro de Christian, trocasse algumas palavras, concedesse autógrafo. Reuniu Diego Forlán, Ygor, Juan e Gabriel para uma foto e, por fim, deu uma camisa para o fã. Uma das principais características de Dunga, que também conversou e bateu fotos com Christian, é seu envolvimento com causas beneficentes.

Nenhum comentário: