segunda-feira, 16 de julho de 2012


Juan rebate Zinho: ‘Eu nunca fui prioridade para o Flamengo’

Juan em ação com a camisa da Roma
Juan em ação com a camisa da Roma Foto: Antonino Codorelli / REUTERS
Extra
Tamanho do texto A A A
Novo jogador do Internacional, o zagueiro Juan rebateu as críticas feitas pelo diretor de futebol do Flamengo, Zinho - “Jamais poderia imaginar que ele, que se diz rubro-negro, fecharia com outro clube no Brasil”. Para se defender do fato de ter um cria da casa a caminho do Internacional, Zinho citou datas de encontros e até para a proposta.
Juan, através da SMG, empresa que faz sua assessoria, fez questão de detalhar os dados.
- Meu objetivo sempre foi cumprir meu contrato com a Roma até o fim e foi isso que repeti para todos os clubes que manifestaram interesse pela minha contratação nos últimos dois anos. Neste período recebi sondagens e propostas de clubes europeus, brasileiros e do mundo árabe. Tenho 33 anos e só joguei por três clubes até hoje (Flamengo, Bayer Leverkussen e Roma). Respeito quem pensa de maneira diferente, mas não gosto de quebrar acordos e compromissos e, além disso, minha família estava perfeitamente adaptada à Itália. A decisão de voltar ao futebol brasileiro só foi tomada depois de conversar muito com meus familiares e de perceber que a Roma não encarava minha permanência como fundamental para a próxima temporada. Minha relação com o clube sempre foi muito transparente, baseada no respeito, e decidi sair pela porta da frente. Foram cinco anos maravilhosos e saio com a consciência de que fui importante para a Roma ao longo deste tempo - disse.
Juan afirmou ainda que sempre deu prioridade ao Flamengo, mas o clube - o diretor de futebol Zinho - não tratou da mesma maneira.
- Tenho muito respeito pelo Zinho e pelo que ele representa. Da mesma forma, pela presidente Patricia Amorim, que sempre falou de sua vontade de me ver novamente jogando pelo Flamengo, principalmente nos momentos difíceis que o time enfrentava. Mas a sensação que eu tinha todas as vezes que conversava com algum representante do clube é que o Flamengo sempre foi prioridade para mim, mas eu nunca fui prioridade para o Flamengo. O nome Juan era valozizado pelos seus dirigentes, mas o jogador Juan, não. Tenho muita consideração pelo clube, por ter iniciado minha carreira lá, com apenas nove anos, mas faltou contrapartida. Sei que tenho uma história, meu valor e gostaria de ver o Flamengo reconhecendo isso. No encontro que tivemos num shopping, dia 10 de junho, encontro este citado pelo Zinho, falei da proposta que tinha de um outro clube (não revelei o nome do Internacional, por ética e por não me interessar fazer qualquer tipo de leilão) e ele me deixou à vontade, dizendo não ter condições de se aproximar dela. Na semana passada, quando decidi voltar ao futebol brasileiro, apareceram dirigentes rubro-negros declararando que minha contratação não era prioridade. O Flamengo só se mobilizou efetivamente quando eu já inha dado minha palavra ao Internancional de que aceitava a sua proposta, que sempre foi a mesma, desde a primeira conversa com o Fernandão (diretor do clube gaúcho) e também quando a imprensa começou a publicar que minha contratação estava perto de ser anunciada pelo clube gaúcho.
E, por fim, o zagueiro falou sobre o novo clube, dizendo que sonha fazer história com a camisa do Internacional.
- O Internacional fez o caminho certo. Procurou a diretoria da Roma, pediu autorização para negociar comigo e manteve contato permanente com os dirigentes italianos e com meu procurador. O Fernandão esteve na minha casa, no Rio, e me apresentou uma proposta que chegava muito perto daquilo que eu esperava e que acho que mereço. Além disso, mostrou um projeto de marketing desenvolvido especialmente para mim. E eu fui bem direto com ele: disse que ainda não tinha amadurecido a ideia de voltar a jogar no futebol brasileiro, que iria viajar para a Itália para conversar com a diretoria da Roma e saber das expectativas do clube em relação à minha permanência e, por último, que a prioridade, caso voltasse ao Brasil, seria do Flamengo. Depois disso, houve o encontro com o Zinho e viajei para os Estados Unidos, de férias. O Fernandão só me pediu que sinalizasse caso decidisse pelo Internacional e foi por causa desta segurança, que senti desde o início, é que tomei minha decisão. O Internacional será o quarto clube da minha carreira, tem uma torcida maravilhosa. Espero fazer história no Beira-Rio e honrar sua camisa.

Links Patrocinados



Nenhum comentário: