quarta-feira, 20 de junho de 2012


20/06/2012 17h28 - Atualizado em 20/06/2012 17h51

Beira-Rio é vistoriado pela Justiça e decisão sobre interdição sai na sexta

Juiz João Ricardo dos Santos Rocha irá analisar a situação do estádio para decretar veredito

Por Diego GuichardPorto Alegre
9 comentários
Vistoria no Beira-Rio (Foto: Diego Guichard/GLOBOESPORTE.COM)Comitiva vistoriou o Beira-Rio
(Foto: Diego Guichard/GLOBOESPORTE.COM)
A tarde desta quarta-feira foi de suma importância para o Inter. Não por causa do futebol, mas sim pelo futuro das obras de modernização do Complexo Beira-Rio. Uma vistoria do juiz João Ricardo dos Santos Rocha, da 16ª Vara Cível do Foro Central, avaliou as condições do espaço e definiu se o estádio poderá seguir a sediar eventos ou ser interrompido. A decisão final sairá na na sexta-feira.
- Prefiro não responder para não fazer juízo de valor. Vamos analisar para depois emitir uma opinião. Existe um pedido de interdição que precisa ser apreciado. A decisão judicial sai até sexta-feira – disse o juiz, em coletiva improvisada na saída do Conselho Deliberativo do Inter.

A inspeção iniciou às 15h, quando o juiz partiu para o gramado principal, acompanhado pelo presidente Giovanni Luigi e pelo diretor de patrimônio Hélio Giaretta, que serviu como um guia da visita. Também estiveram presentes representantes do Corpo de Bombeiros, da Polícia Militar, da Secretaria Municipal da Indústria e Comércio (SMIC) e Secretaria Municipal de Obras e Viação (SMOV).

Tudo começou pelo gramado principal, quando os jornalistas foram impedidos de acompanhar a vistoria. A comitiva observou as obras em andamento, arquibancadas superior e inferior e tudo que envolva segurança. Um dos pontos críticos citados foi a questão elétrica. No lado de fora do portão 3, por exemplo, há instalações não acabadas.

A vistoria alterou a rotina de todos no estádio. Veículo da imprensa e convidados tiveram de ficar fora do complexo Beira-Rio. E todos que acompanharam o treinamentos, mesmo fora do gramado principal, utilizaram capacetes. Houve um cuidado extra do clube em todos os setores.
Vistoria no Beira-Rio (Foto: Diego Guichard/GLOBOESPORTE.COM)Giovanni Luigi acompanhou o juiz João Ricardo dos Santos (Foto: Diego Guichard/GLOBOESPORTE.COM)
Entenda o caso
O Ministério Público ajuizou no dia 24 de maio uma ação civil pública para que fosse determinada a interdição do Complexo Beira-Rio. De acordo com a Promotoria de Justiça de Habitação e Defesa da Ordem Urbanística de Porto Alegre, as edificações não possuem alvará de Prevenção e Proteção contra Incêndios. Por causa disso, o Inter acabou criando uma própria brigada de incêndio, treinando funcionários para agir em eventuais incidentes.
De acordo com os autores da ação, por mais que o Inter tente isolar as áreas que estão sendo demolidas, colocando cercas, seguranças e cachorros, se houver um tumulto, a torcida torna-se incontrolável. A ação pede fixação de multa por descumprimento no valor de R$ 1 milhão por evento realizado nas condições atuais.
 

Nenhum comentário: